Peixes da Amazônia estão contaminados por partículas de plástico

0
16
Imprimir página
Pesquisadores descobriram a primeira evidência de contaminação de plástico em peixes de água doce na Amazônia, destacando a extensão em que sacos, garrafas e outros resíduos despejados nos rios estão afetando a vida selvagem do mundo.

Testes no conteúdo estomacal de peixes no Rio Xingu, no Brasil, um dos principais afluentes do Rio Amazonas, revelaram partículas de plástico em mais de 80% das espécies examinadas, incluindo o onívoro pacu papagaio, o herbívoro  RedHook Silver Dollar e a carnívora piranha de barriga vermelha

Os pesquisadores se concentraram em peixes no Xingu por causa de sua rica diversidade e amplitude de hábitos alimentares. Os peixes variavam de 4 cm a quase 30 cm de comprimento e pesavam  de 2 gramas a cerca de um quilo.

A análise do conteúdo estomacal dos peixes identificou uma dúzia de polímeros distintos usados para fabricar itens plásticos, incluindo bolsas, garrafas e equipamentos de pesca. A maioria das peças era preta, vermelha, azul, branca ou translúcida e variava de partículas de 1 mm para flocos com 15 mm de largura.

“Foi uma triste surpresa porque no estágio inicial de nossa pesquisa o objetivo principal era entender a ecologia alimentar do peixe, mas quando começamos a analisar o conteúdo do estômago encontramos o plástico”, disse Tommaso Giarrizzo, que estuda ecologia aquática na Universidade Federal do Pará . “É alarmante porque essa poluição está espalhada por toda a bacia amazônica.”

Os cientistas escolheram o conteúdo estomacal de 172 peixes pertencentes a 16 espécies. Escrevendo na revista Environmental Pollution, os cientistas descrevem como 13 das espécies haviam consumido plásticos, independentemente de serem herbívoros que se alimentavam de plantas fluviais, carnívoros que sobreviviam principalmente de outros peixes, ou onívoros. Os herbívoros podem confundir pedaços de plástico por sementes, frutas e folhas, enquanto os onívoros provavelmente ingerem plásticos capturados em  macrófitas que compõem boa parte de sua dieta. Enquanto isso, os carnívoros, como a piranha, provavelmente consomem plásticos quando comem presas contaminadas.

Marcelo Andrade, também da Universidade Federal do Pará, disse: “É horrível saber que os detritos plásticos são ingeridos por 80% das espécies de peixes analisadas, e que muitas delas são consumidas por humanos na Amazônia. A poluição plástica é uma ameaça real para os seres humanos em todo o mundo. ”

No total, 96 peças de plástico foram recuperadas de estômagos de 46 peixes. Os testes mostraram que mais de um quarto eram de polietileno, um material usado em artes de pesca que muitas vezes é descartado em rios e oceanos. Outros foram identificados como PVC, poliamida, polipropileno, rayon e outros polímeros usados para fazer sacos, garrafas, embalagens de alimentos e muito mais.

Os rios são responsáveis por até um quinto dos resíduos plásticos encontrados nos oceanos. Grande parte da poluição é causada pela má gestão de resíduos ou pelo lixo sendo despejado intencionalmente nos cursos de água. Mais de 90% dos detritos plásticos que chegam a águas abertas vêm de 10 rios, oito na Ásia e dois na África.

Giarrizzo disse que mais pesquisas são necessárias para entender a origem do plástico nos rios da Amazônia e avaliar o impacto que ele pode ter na saúde humana. Uma preocupação, segundo ele, é que substâncias químicas perigosas possam se ligar aos plásticos encontrados em peixes, e assim comê-los pode levar a um acúmulo de substâncias químicas perigosas no corpo.

Embora os efeitos do consumo humano de microplásticos sejam amplamente desconhecidos, nossos resultados são uma preocupação de saúde pública, já que a Amazônia tem o maior consumo per capita de peixes do mundo”, disse ele.

O professor Steve Ormerod, co-diretor do Instituto de Pesquisa da Água da Universidade de Cardiff, disse: “Embora grande parte da publicidade e ênfase na poluição plástica tenha se concentrado nos oceanos do mundo, este artigo acrescenta evidências crescentes de que os plásticos também representam um risco potencial para a poluição. ecossistemas fluviais do mundo.

“Em alguns aspectos, esses resultados não surpreendem porque a Amazônia carrega cerca de 60.000 toneladas de lixo plástico todo ano no Atlântico, e amostras para esse trabalho no afluente do Xingu foram coletadas perto de Altamira – uma cidade de mais de 100.000 habitantes. pessoas. No entanto, com peixes individuais neste estudo, em média, com 22% -37% de seu conteúdo intestinal absorvido pelo plástico, certamente existem preocupações sobre os efeitos físicos ou toxicológicos.

“Com um número crescente de estudos que agora registram o plástico dentro de animais aquáticos, acho que agora temos que ir além desta fase descritiva em investigações das principais fontes de material plástico em rios, qual é o destino desse material em teias alimentares e, mais importante ainda, quais são os efeitos nos organismos e ecossistemas. Esta é toda a informação crítica se quisermos administrar o problema de plástico de uma forma baseada em evidências. ”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here